Várias delícias podem causar enxaqueca. Preste atenção nas crises e descubra os gatilhos

Várias delícias podem causar enxaqueca. Preste atenção nas crises e descubra os gatilhos

A palavra enxaqueca vem do árabe e quer dizer “arrebentar a cabeça”. A pessoa que é enxaquecosa deve tomar cuidado com alguns alimentos como morango, nozes, leite e derivados, frios como o salame, o presunto, o rosbife e tantas outras delícias. Com o tempo, a pessoa deve perceber: se teve enxaqueca, tem que ver o que comeu. É preciso fazer um recordatório de todos os alimentos ingeridos e ir descobrindo aos poucos.

A lista de alimentos (e bebidas) que pode desencadear uma crise de enxaqueca é longa:

– vinho

– sucos artificiais

– frutas cítricas

– adoçante

– glúten do pãozinho francês

– café (aliado no combate às dores de cabeça) também tem seus efeitos colaterais

A cafeína ingerida quando você tem uma crise de enxaqueca, muitas vezes faz a crise melhorar. Mas quando se toma uma quantidade exagerada de cafeína por dia, o organismo fica dependente. Se você deixa de tomar café repentinamente, a abstinência da substância pode causar a crise de enxaqueca.

Cada paciente tem a sua restrição alimentar. Alguns não podem utilizar pimenta vermelha ou chocolate. Quando consumimos um alimento, ele é processado pelo aparelho digestivo, mas é no cérebro que acontecem algumas das reações mais intensas. Em pacientes com predisposição à enxaqueca, um dos efeitos é a dilatação seguida de inflamação de artérias do cérebro. É isso que causa tanta dor!

Uma pesquisa inédita que acaba de ser divulgada constatou que até 8% das crianças brasileiras sofrem de enxaqueca. Assim como os adultos, elas sentem fortes dores de cabeça, enjoos e faltam muito mais à escola. A alimentação delas também pode estar por trás dessas crises. No caso dos pequenos, os vilões são os corantes artificiais e o açúcar, presente também nos chocolates, doces e no refrigerante.

Será que é preciso parar de comer para viver sem dor?

Não, dizem os médicos. O jejum também desencadeia as crises. O caminho é fazer algumas adaptações na dieta com a ajuda de um nutricionista. Com a diminuição de consumo dos alimentos “gatilhos”, a pessoa vai praticamente deixar de ter enxaqueca ou as chances de crises diminuem muito: em torno de 70% a 85%.

A alimentação, no entanto, é apenas um dos estopins da doença. Existem ainda os fatores genéticos, a variação hormonal, as horas de sono, estresse e a ansiedade. Portanto, não coloque a culpa só na comida. Os médicos costumam dizer que se tirarmos todas as coisas que podem desencadear enxaqueca sobrará água sem gás e jiló. Não sobra mais nada!

 

 

Relacionados