Relação entre a enxaqueca e doenças cardiovasculares

Sem Thumbnail

Saiba mais sobre a relação entre a enxaqueca e doenças cardiovasculares
Pesquisas têm comprovado a relação entre enxaqueca com aura e episódios de enfarto ou AVC. Porém, não há motivo para desespero

De acordo com estudos publicados na Grã-Bretanha e nos Estados Unidos, mulheres que sofrem de enxaqueca com aura têm chance consideravelmente maior de desenvolverem doenças cardiovasculares, tais como infarto e acidente vascular cerebral (AVC). Se você faz parte deste grupo, não precisa se desesperar. O alerta fica por conta de uma necessidade bem maior de prevenção e de adoção de hábitos saudáveis de vida para prevenir o problema.

A enxaqueca com aura é aquela precedida por alterações na visão, como a formação de flashes luminosos, borrões ou mesmo pontos cegos. Logo após a manifestações destes sintomas, surge a dor de cabeça (cefaleia) típica da enxaqueca: dor intensa e pulsátil em um dos lados da cabeça e possível intolerância a luz e sons. Cerca de 10% a 15% das pessoas com enxaqueca passam pela fase de aura, e, portanto, devem ter ainda mais cuidado com a saúde cardiovascular.

As pesquisas indicam que a condição de vivenciar enxaquecas com aura representa, entre as mulheres, risco maior de sofrer doenças cardiovasculares do que ter diabetes ou obesidade, ficando atrás apenas da hipertensão (pressão alta).

Porém, como dissemos, não há motivo para pânico. A adoção de uma dieta saudável e bem equilibrada, com baixo consumo de gorduras saturadas e produtos processados, a prática de exercícios físicos regulares e o acompanhamento médico constante para prevenir e tratar as crises enxaquecosas são importantes para todos os grupos, mas ainda mais necessários para as mulheres que vivenciam crises com aura.

Também passa a ser obrigatório para essas mulheres abandonar o cigarro e perder peso – outros dois fatores que contribuem para um aumento de episódios de acidentes cardiovasculares. Outro aspecto importante a ser observado é o uso de pílulas anticoncepcionais. Por promover alterações hormonais, estes medicamentos só devem ser utilizados com acompanhamento médico – e o profissional sempre deve ser informado a respeito das crises de enxaqueca, com ou sem aura.

Para ser considerada uma pessoa que tem crises de enxaqueca com aura, e preciso vivenciar dois episódios assim em um espaço relativamente curto de tempo. A presença de enjoo e tontura durante a fase de aura também pode ser relatada.

Portanto, caso você vivencie crises de enxaqueca com aura, não abra mão de cuidar de todos os aspectos de sua saúde, além de manter o tratamento preventivo das crises sempre em dia. Assim, estas estatísticas vão passar longe de seu perfil enxaquecoso.

 

Relacionados